BACK DOOR Newsletter on East Timor .........home .........August news

lia-tetun

português língua

English


"LORON OHIN NE, HÁ旦 FO HATENE KATAK HÁ旦 SEI ACEITA NUDAR CANDIDATO PARTIDOS SIRA NIAN BA PRESIDENTE REPUBLIKA TIMOR LOROSA脱, se partidos sira né hatudu sira nia kompromisu maka誕s atu simu ho laran luan resultado hosi eleisoens 30 de Agosto mai ne. Ne katak, partido ida-idak sei buka hametin, toó sira nia estrutura iha base, politica tolerância no respeitu malu nian, iha espirito democratico nebe ita hotu-hotu hakarak atu harí." Kay Rala Xanana Gusmão
Haree: BD: Kolesaun lia-foun, artigu ho reportajen ho lia-tetun

BD: Recent news re Kay Rala Xanana Gusmão
BD: Peoples' Participation / Participação Dos Povos / Partisipasaun Politika

Tetum

KOMUNIKADU

Kay Rala Xanana Gusmão

Há置 nia partisipasaun iha prosesu libertasaun nasional la liu buat nebé ema hotu-hotu halo ba independensia Timor Lorosa弾 nian. Há置 so hahú kaer funu ne, bain-hira ulun boot sira mate ou rende tiha, hodi nuné membros Comité Central Fretilin nain tolu deit mak sei moris. Ida mate tan iha 1981 e ata oan há置 no Ma Hunu, nebé ohin loron la弛 no koalia ladiak mak sei moris iha tinan nebá.

Tanba ne, ata há置 nunca hakiak ambisaun pessoal ba há置 rasik, hodi jura mos ba ruin sira nebé naklekar no mos ba guerrilheiros sira katak há置 sei la husu buat ida ba há置, nudar respeito nebé há置 iha ba sacrificios nebé boot tebe-tebes ema hotu-hotu nian. E nuné ata há置 buka deit atu servi diadiak interesses povu no patria nian. Prinsipiu ida né mak hadalan hela haú to弛 ohin loron.

Há置 hatete beibeik iha fatin hotu-hotu katak ita tenki hakotu tiha horiseik ho ohin ba aban bain-rua nian. Buat nebé mosu ohin, konsekuensia horiseik nian, maibé prosesu rua né labele hanesan, la os deit iha prosesu ida-idak karákter mas no mos iha ida-idak nia objectivos. Hodi nuné, mak nudar Plataforma Luta Libertação ita nia Pátria nian e depois de vitória boot iha 30 de Agosto 1999, CNRT la buka atu tau nia quadros sira hodi tur lalais iha Administração. E, consequente ho idealismo politico funu nian, mak CNRT taka, bain-hira sinti katak nia kumpre tiha ona nia dever hodi fo contribuição ba prosesu transisaun ba independência nian.

E ida ne mos atu hodi fo fatin ba harí sistema democrático diak ida ba Timor Lorosa弾, hodi nuné prosesu nebé ita hotu hala弛 né labele depende deit ba ema ida ou ba grupu ida, liu-liu iha tinan hirak mai né, nebé ita hotu sei aprende oin as mak atu ukun ita nia rain. E mos, hodi fo hatene ba ita tomak katak buat importante tebe-tebes ba ita nia nasaun, iha hakat nebé ita atu hala弛 ba independencia, mak kbit iha matenek no profissional ninian hodi bele hatan ba knar nebé ida-idak atu simu.

Loron hirak tan, iha 30 de Agosto,  ita hotu sei tuir eleisoens ba Assembleia Constituinte, nebé sei fila ba ita nia Parlamento. Fou-foun kedas, mosu duvida iha povu nia let kona ba se mak atu sai Presidente, tanba ita nia povu hanoin katak ita sei tui sistema indonésio nian nebé DPR mak foti Presidente.

E problema ba partidos sira mosu iha né, hodi partidos sira ka partidu balun hahú koalia kona ba Xanana, quando seidauk tempo atu koalia kona ba Presidente. Partidos sira devia esclarece ba Povu katak seidauk tempo atu koalia buat ida né, katak eleisoens ba Presidente sei iha e Povu mak sei hili rasik.

Tanba partidu sira la esclarece nuné, mak mosu contradisaun boot ida. Ata há置 dehan beibeik katak há置 sei la candidata na ba Presidente, maibé Partidos sira fó sai há置 nia naran ba Povo nudar sira nia candidato. Tanba sá?, há置 husu. Há置 ladun fiar katak partidos hotu-hotu nebé apresenta há置 nia naran  nudar sira nia candidato, fiar duni katak há置 bele lori knar boot ida né. Há置 mos hatene katak partidos balun sei la temi há置 nia naran, se povu la obriga duni. Pressão nebé mai hosi povo ne mak obriga partidos sira temi há置 ata nia naran, maski seidauk tempo atu koalia kona ba Presidente.

E há置 sinti ida ne la los... ba Povo. Tanba as mak há置 dehan la los?  Tanba partidos sira nebé temi há置 nia naran, seidauk hatene ata há置 hakarak as-ida, tanba partidos sira ne la husu uluk há置 se há置 simu ka la simu e nuné mos keta partidu sira né bele compromete há置 ba política ruma nebé há置 la concorda karik. Se partidos sira nebé temi ata há置 nia naran mak hanoin atu esklarese didiak ba Povu katak eleisoens ba Presidente sei iha ikus mai e Povu mak sei hili rasik, nuné partidos sira ida-idak sei apresenta sira nia candidato no mós bele iha candidato independente, há置 fiar metin katak povo rasik sei husik problema ida ne ba tempo ikus.

Maibé, tanba partidos balun apresenta ona ata há置 nudar sira nia candidato ba Presidente, no mos tanba eleisões nebé ita atu hala弛, iha 30 de Agosto ne, ba Assembleia Constituinte e Assembleia Constituinte sei hasai decisões oi-oin, haú aproveita kedas atu fo sai há置 nia hanoin balun hodi partidos sira bele hatene e bele tetu.

LORON OHIN NE, HÁ旦 FO HATENE KATAK HÁ旦 SEI ACEITA NUDAR CANDIDATO PARTIDOS SIRA NIAN BA PRESIDENTE REPUBLIKA TIMOR LOROSA脱, se partidos sira né hatudu sira nia kompromisu maka誕s atu simu ho laran luan resultado hosi eleisoens 30 de Agosto mai ne. Ne katak, partido ida-idak sei buka hametin, toó sira nia estrutura iha base, politica tolerância no respeitu malu nian, iha espirito democratico nebe ita hotu-hotu hakarak atu harí.

Assembleia Constituinte mak sei discute diadiak kona ba símbolos nacionais, no processo consulta diak ida ba sociedade tomak.

Assembleia Constituinte tenki discute ho seriedade no realismo kona ba Reconciliação no Amnestia, hodi hanoin diadiak katak ita iha desafios barak tebe-tebes iha loron ikus mai hodi tetu lolós ita nia kbit atu hadia/desenvolve ita nia rain, hodi fo moris diak ba povu e domi ho dame iha timor oan nia let no mos entre Timor Lorosa弾 ho nia vizinhos sira.

Assembleia Constituinte iha obrigasaun moral atu presta homenagem especial ida ba vítimas, familia vítimas sira nian no veteranos resistência nian e atu fo kbit atu bele hamós fila fali maluk sira nia naran,  nebé dadur ka mate hanesan traidor, maibé la os traidor.
Governo nebé atu prepara ba independência, diak liu harí tuir ema nia kbit no experiência profissional e labele deit hosi critério político. Maski nuné, sei respeita duni resultado eleisoens bain-hira fahe portfolios sira né.

Atu remata, há置 hakarak fo hatene katak hanoin sira nebé há置 fo sai daudauk ne, la os hanesan condições ba partidus sira. Haú fo sai agora, tanba partidos sira la koalia ho há置 kona ba hanoin sira né, antes de sira temi há置 nia naran ba povu, iha campanha eleisoens ba Assembleia Constituinte.

Nuné mos, há置 hakarak atu hakotu tiha especulações bara-barak kona questão ida né. Iha ema barak preparado diak liu atu ba Presidente. Liu tiha tinan 25, há置 mos sinti kole duni ona e há置 hatene katak ata oan há置 la serve ba Presidente. Hori uluk kedas haú hanoin katak, hetan tiha independência, há置 atu halo to弛s hodi kuda netik lakero e cria animal ruma. E esperanças kona ba ida né, seidauk mate.

Dili, 25 de Agosto 2001.-

Kay Rala Xanana Gusmão

Haree:
lia-portugués
lia-inglés


Haree: BD: Kolesaun lia-foun, artigu ho reportajen ho lia-tetun

BD: Recent news re Kay Rala Xanana Gusmão

BD: Peoples' Participation / Participação Dos Povos / Partisipasaun Politika - A collection of recent media releases, reports and articles


"EU DECLARO AQUI E AGORA QUE ACEITAREI SER CANDIDATO DOS PARTIDOS A PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE TIMOR LOROSA脱, se os mesmos partidos demonstrarem o máximo compromisso para aceitarem quaisquer que forem os resultados das eleições. Isto significa que cada partido deve promover, nas suas estruturas de base, a política da tolerância e do respeito mútuo, dentro do espírito democrático que todos estamos empenhados a construir." Kay Rala Xanana Gusmão
Ver: BD: Notícias, editorial e documentos em Português

BD: Recent news re Kay Rala Xanana Gusmão
BD: Peoples' Participation / Participação Dos Povos / Partisipasaun Politika

Portuguese

COMUNICADO

Kay Rala Xanana Gusmão

A minha participação pessoal no processo de libertação nacional foi igual a de qualquer outro filho desta terra que desejava a independência para Timor Lorosa弾.  Tomei a decisão de assumir o comando da resistência, porque os principais líderes ou morreram ou se renderam, tendo na altura sobrevivido apenas 3 membros do Comité Central da Fretilin, de que eu fazia parte. Destes 3, mais um morreu em combate nos inícios de 1981, restando assim o meu irmão Ma Huno, que infelizmente se encontra inválido e incapaz de falar, e este vosso servo.

Por motivo desta situação, nunca alimentei ambições pessoais para mim, tanto mais que eu jurei, perante os tombados e os guerrilheiros sob o meu comando, que nada reclamaria para mim como respeito aos enormes sacrifícios de todos. Foi sempre, neste sentido, que tentei servir, no melhor que eu pude dar, os interesses do povo e da pátria. E foi este o princípio que sempre me guiou e vou-me esforçando por continuar a ser consequente com este ideal.

Eu sempre afirmei que  deveríamos cortar o actual momento da história com o passado e, embora um seja consequência do outro, os dois processos têm que ser diferentes no carácter e nos objectivos. Foi assim que, como uma Plataforma de Luta pela Libertação da Pátria, o CNRT nunca se movimentou a apoderar-se do aparelho do poder, depois da retumbante vitória de 30 de Agosto de 1999. E, consequente assim com o idealismo político da luta, o CNRT dissolveu-se, depois de ter cumprido o seu papel de contribuir no processo de transição para a independência.

E isto para dar lugar à construção de um sistema democrático no Timor Lorosa弾 independente e para não fazer depender o processo a indivíduos e grupos, sobretudo na necessária aprendizagem de governação durante os primeiros anos. Por outro lado, deve-se considerar que o importante para a nação, nestes primeiros passos de independência, é todos assumirmos a necessidade de prestar a máxima atenção à capacidade intelectual e profissional das pessoas para responder às obrigações de cada um.

As eleições que vão ter lugar no próximo dia 30 de Agosto serão para a Assembleia Constituinte e que muito provàvelmente virá a tranformar-se no primeiro Parlamento. Havia logo no início, no seio do povo, a dúvida se estas eleições seriam também para o Presidente da República, pois o povo estava já habituado ao sistema das eleições indonésias, onde o parlamento decide sobre quem deve ser o Presidente.

E foi daí que apareceu o primeiro problema aos partidos políticos: o povo queria saber quem seria o Presidente da República, que cada partido apoiaria. Foi assim que, muito extemporâneamente, os Partidos ou alguns Partidos começaram a falar de Xanana Gusmão, quando a postura desses Partidos deveria ser o de informar ao Povo que as eleições para Presidente da República serão depois e directas.

Havia uma contradição entre a minha decisão de não me candidatar e a postura dos Partidos Políticos que me apresentavam como seu candidato. Mas porquê?, é esta a pergunta que eu faço. Eu não acredito que todos os partidos que afirmaram ao povo que eu seria o candidato para Presidente, que o fazem com a convicção de que eu serei a pessoa certa. Eu até acredito que alguns partidos não teriam mencionado o meu nome, se não houvesse esta forma de pressão por parte do povo. E é esta pressão que explica a forma tão extemporânea de me apresentarem como candidato do partido para as futuras presidenciais.

E isto não é justo... para o Povo! Porque é que eu digo que não é justo?  Porque os partidos não sabem o que eu desejaria, porque os partidos não só não me perguntaram se eu aceitava ou não como também me comprometem a políticas que, possìvelmente, são diferentes dos meus pontos de vista. Se todo os partidos tivessem o cuidado de informar ao povo que haverá eleições presidenciais directas e, portanto, aí os partidos apresentariam os seus candidatos e que haveria também candidatos independentes, eu sinceramente acredito que o povo teria deixado esta questão para o tempo mais oportuno.

Perante a perspectiva de decisões que vão ser tomadas na Assembleia Constituinte e porque muitos partidos me apresentaram já como seu candidato à Presidência da República, tomo a liberdade de colocar aqui os meus pensamentos para os partidos saberem e reconsiderarem, se for caso disso.

 EU DECLARO AQUI E AGORA QUE ACEITAREI SER CANDIDATO DOS PARTIDOS A PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE TIMOR LOROSA脱, se os mesmos partidos demonstrarem o máximo compromisso para aceitarem quaisquer que forem os resultados das eleições. Isto significa que cada partido deve promover, nas suas estruturas de base, a política da tolerância e do respeito mútuo, dentro do espírito democrático que todos estamos empenhados a construir.

Os símbolos nacionais devem ser matéria de debate da Assembleia Constituinte e objecto de consulta alargada à sociedade timorense. A Assembleia Constituinte deve debater com profundidade e sentido de realismo a necessidade de uma política nacional sobre Reconciliação e Amnestia, tendo em conta os desafios do futuro e a nossa capacidade de encetar pelo caminho do desenvolvimento, do bem-estar e da harmonia entre timorenses e entre Timor Lorosa弾 e os seus vizinhos.

A Assembleia Constituinte deve prestar uma homenagem especial a todas as vítimas, famílias de vítimas e veteranos da Resistência e autorizar a reabilitação dos nomes de todos quantos injustamente foram presos e/ou mortos como traidores.

A composição do Governo, no primeiro período após a independência, deve ser guiada pelo sentido de competência e profissionalismo e não pròpriamente pelo critério político, tendo contudo em conta o resultado das eleições, em relação à distribuição de portfólios.

Isto não significa de nenhuma maneira que estou a apresentar condições aos Partidos. Eu apenas estou a expressar em voz alta os meus pensamentos, já que eu fui colocado numa situação de total dependência de todos os partidos que afirmaram que eu seria o seu candidato para Presidente da República de Timor Lorosa弾, mesmo em campanhas para as eleições para a Assembleia Constituinte.

Espero assim também pôr termo a todas as especulações em torno desta questão. Eu sei que não sou a pessoa mais indicada. Ùltimamente, tenho-me sentido muito cansado, depois do peso de 25 anos. Eu sempre alimentei o sonho de que, depois da independência, teria tempo para cultivar abóboras e criar animais. E as esperanças nunca devem morrer.

Díli, 25 de Agosto de 2001.-

Kay Rala Xanana Gusmão

Ver:
tetum língua
inglêsa língua


Ver: BD: Notícias, editorial e documentos em Português

BD: Recent news re Kay Rala Xanana Gusmão

BD: Peoples' Participation / Participação Dos Povos / Partisipasaun Politika - A collection of recent media releases, reports and articles


"I DECLARE HERE AND NOW THAT I WILL ACCEPT TO BE NOMINATED BY THE PARTIES TO THE OFFICE OF PRESIDENT OF THE REPUBLIC OF TIMOR LOROSA´E, if the same parties commit themselves to accepting the outcome of the elections. This means that each party must promote, through their structures at the grassroots level, the policy of tolerance and of mutual respect, in the democratic spirit which we are all engaged in developing." Kay Rala Xanana Gusmão
See also: BD: Recent news re Kay Rala Xanana Gusmão

BD: Peoples' Participation / Participação Dos Povos / Partisipasaun Politika

English

STATEMENT

By Kay Rala Xanana Gusmão

25 August, 2001

My personal role in the process of national liberation has been no different from that of any other son of this land who desired independence for Timor Lorosa´e. I took the decision to lead the resistance because the other main leaders had either died or surrendered, with only three members of the Fretilin Central Committee, of which I was one, still alive at that time. Of these three, one died in combat in 1981, leaving my brother Ma Huno (who today, sadly, finds himself physically handicapped and mute) and myself.

For this reason, I never harboured personal ambitions of my own, particularly since I had sworn on the blood of my fallen soldiers and in the presence of the soldiers under my command that I would never claim any rewards for myself, out of respect for the tremendous sacrifices made by all East Timorese. It was always in this spirit that I endeavoured to serve as best I could the country and its people. It was always this principle that guided me in my actions and I endeavour to continue to be true to this ideal today.

I have always affirmed that we must know how to separate the present moment in history from the past and, although one is the consequence of the other, the two processes must be seen to be distinct in both character and in their objectives. Therefore, as a Platform of the Struggle for Liberation of the Homeland, the CNRT never positioned itself to take over the reins of power following the resounding victory of 30 August 1999. And, consistent with the political idealism of the struggle, the CNRT dissolved itself, having successfully fulfilled its objective of contributing to the process of transition to independence.

The aim was to make way for the building of a democratic system in an independent Timor Lorosa´e and to ensure that the process did not come to depend on individuals and groups, particularly in relation to the necessary learning process associated with governance in the early years of independence. On the other hand, it must be remembered that the important thing for the nation, as the first steps in the direction of independence are taken, is our recognition of the need to boost the intellectual and professional capacity of our people.

The elections which will take place on 30 August are for the Constituent Assembly which will, in all likelihood, transform itself into the first Parliament. From the beginning there existed among our people doubts as to whether these elections would also determine who would become the President of the Republic given that our people are accustomed to the Indonesian electoral system, according to which the parliament decides who will take office as President.

From this point, a dilemma emerged for the political parties: the people demanded to know who was each political parties choice for the position of President of the Republic. Thus, quite prematurely, the Parties, or at least some of the Parties, began to speak of Xanana Gusmão, when in fact the position of these Parties should have been to merely inform the People that the elections for President would be direct and would follow the elections of 30 August.

There existed a contradiction between my decision not to run for President and the position taken by the Political Parties which was to present me as their preferred candidate. But why? This is the question I ask. I don´t believe that all of those parties which declared to the people that I was their candidate for President did so with the conviction that I am the right person. I would go so far as to say that I believe that some parties would not even have mentioned my name in the absence of this pressure from the People. It was this pressure which explains why name has been thrown up so prematurely as a party candidate for the forthcoming elections.

And I believe that this is not fair ... to the People themselves! Why do I say that it is not fair? Because the parties do not know what I aspire to, because the parties not only did not ask me whether or not I accepted, but also because they were compromising me to policies which possibly differ from my own vision. If the parties had taken care to inform the People that the presidential elections would be direct and that, only on that occasion would the political parties present their candidates, and also that there would be independent candidates contesting the elections, I sincerely believe that the People would have raised this question of the Presidency at a more opportune time.

In view of the prospect of decisions being made in the Constituent Assembly, and in light of the fact that many parties have named me as their preferred candidate to the Presidency, I take this opportunity to make my views on the subject known to the parties.

I DECLARE HERE AND NOW THAT I WILL ACCEPT TO BE NOMINATED BY THE PARTIES TO THE OFFICE OF PRESIDENT OF THE REPUBLIC OF TIMOR LOROSA´E, if the same parties commit themselves to accepting the outcome of the elections. This means that each party must promote, through their structures at the grassroots level, the policy of tolerance and of mutual respect, in the democratic spirit which we are all engaged in developing.

The national symbols must be the subject of debate by the Constituent Assembly and of broad-based consultation within East Timorese society. The Constituent Assembly must debate in depth and with a sense of realism the need for a national policy on Reconciliation and Amnesty, taking into account the challenges of the future and our capacity to step forward on the road to development, to the well-being of our People and to harmony amongst East Timorese and between Timor Lorosa´e and her neighbours.

The Constituent Assembly must pay special homage to all victims and their families and to the veterans of the Resistance and authorise the restoration of the good name of all those unjustly killed as traitors.

The composition of the Government, in the early years of independence, must be guided by a sense of competence and professionalism and not by political criteria, taking into account, however, the outcome of the elections in the granting of portfolios.

This does not by any means imply that I am imposing conditions on the Parties. I am merely expressly out loud my thoughts, given that I have been placed in a situation of complete dependence on all those parties which have publicly stated that I am their preferred presidential candidate, even in campaigns for elections for the Constituent Assembly.

Thus, I wish to put an end to speculation on this subject. I am conscious that I am not the best person for the job. It is true that I am beginning to feel tired, knowing that I do not have what it takes to be President. I always nurtured the dream that after independence I would have time to cultivate pumpkins and breed animals. And hope should never die.

Díli, 25 August 2001.-
Kay Rala Xanana Gusmão

See:
Tetum
Portuguese


See also: BD: Recent news re Kay Rala Xanana Gusmão

BD: Peoples' Participation / Participação Dos Povos / Partisipasaun Politika - A collection of recent media releases, reports and articles


BACK DOOR Newsletter on East Timor .........home .........August news
Website: http://www.pcug.org.au/~wildwood  Email: wildwood@pcug.org.au
Postal address: BACK DOOR GPO Box 59 Canberra City ACT 2601 Australia
Receive FREE weekly email Web-updates: email wildwood@pcug.org.au and include the words "Subscribe BACK DOOR" in the message header. more info